26/06/2014

Plan And Games


― Fala sério, Oliver. Você está caído de amores pela vizinha do Adam ― afirmava William em tom brincalhão, tentando fazer o amigo admitir.
― Sem chances, cara. Ela nem faz o meu tipo... – rebateu dando um sorriso torto e debochado em seguida.
― Vai querer me dizer que depois de todo esse tempo andando para todo lado com a vizinha do Adam, você não sentiu nada por ela? – indagou Joe com um sorriso brotando nos lábios e uma ideia surgindo em sua cabeça.
― Ela tem nome. E a única coisa que eu comecei a sentir por ela depois desse mês, que passamos organizando sua festa surpresa, é que nos tornamos amigos, e só. ― respondeu levantando-se e indo em direção ao corredor ― É melhor vocês começarem a se arrumar. Temos de estar na casa do Adam em uma hora.

Vendo o amigo deixar o recinto, os outros decidiram testar o que este dissera. Kyle, por ser o outro único solteiro, foi escolhido para por o plano em prática. Para a ocasião escolheu uma camisa de mangas longas e botões, os quais estavam um tanto frouxos, como parte do propósito.
Tempos depois, já no elevador do prédio de Adam, Kyle desabotoou alguns botões e foi direto para a porta da tal vizinha, enquanto os demais esperavam o anfitrião abrir a porta.

― Errando a porta, Kyle? ― indagou uma garota de cabelos afogueados e olhos castanhos que atendera a porta.
― Não... ― começou a falar enquanto puxava a garota pela cintura ― Passei apenas para dizer “oi”... ― disse próximo ao ouvido da mesma, mas alto o suficiente para que os outros ouvissem, antes de depositar um beijo na linha do maxilar da ruiva.
― Oi... – respondeu tentando disfarçar a surpresa pelo ato do amigo ― E guarde este tipo de cumprimento para sua namorada... – empurrou-o com as mãos espalmadas no peito do mesmo.
 ― I’m sexy, free and single... – cantarolou e deu uma piscadela para a jovem antes de adentrar no apartamento vizinho.

Oliver ao assistir a cena, pareceu não gostar, mas disfarçou como pôde. Apenas cumprimentou a garota formalmente, como fizeram os outros e seguiu-os.
Um par de horas se passou e com elas o filme que os rapazes assistiam. Sabendo que a gracinha de mais cedo não surtira nenhum efeito visível, Kyle arrancara os botões inferiores da camisa antes de Adam acender as luzes.

― Cara, onde eu vou achar alguém para arrumar isso? Essa é minha camisa favorita... ― disse fingindo se lamentar.
― Por que você não pede para a Cassandra? É ela quem arruma as minhas quando minha mãe está viajando. ― sugeriu Adam, já ciente do plano.
― É uma boa ideia... ― disse Kyle se dirigindo ao interfone.

Minutos depois a garota estava no mesmo apartamento que os rapazes, com seu kit de costura em mãos.

― Onde está a tal camisa, Kyle? – indagou parecendo indiferente e sentando-se próxima a bancada da cozinha americana.
― É a que estou vestindo... ― começou a dizer com um olhar sacana ― Se quiser posso tira-la para você... ― disse enquanto fechava o espaço entre os dois.
― Se não quiser correr o risco de ser espetado pelas minhas agulhas... É melhor tirar. ― respondeu com um olhar de mesmo teor.

O homem colocou as mãos ladeando o corpo da garota sentada a sua frente depositando a camisa sobre o balcão, observando o rosto do outro antes de fazer menção a beijar a mulher próxima a si.

― Hey, devagar aí, meu caro... ― disse a garota colocando as pontas dos dedos sobre a boca do rapaz.
― Pensei que nós fossemos amigos...
― E nós somos... Mas não desse tipo. ― respondeu virando-se para o balcão e começando a arrumar a peça de roupa.

Alguns minutos depois, Cassandra deixou o lugar e voltou ao próprio apartamento.

― Parece que alguém se deu mal hoje... ― disse William divertindo-se com a situação, ao passo em que Oliver conversava ao telefone no outro canto da sala.
― Bem, eu preciso ir. Minha mãe quer me ver no jantar de hoje... ― dizendo isto, despediu-se com um aceno e deixou o apartamento do amigo.

O que ninguém ali, exceto Adam, sabia é que antes mesmo do elevador chegar, Oliver já teria digitado a senha e adentrado o apartamento vizinho.

― O que deu no seu amigo hoje? ― indagou a garota de cabelos rubros aproximando-se.
― Estão tentando me induzir a fazer uma cena de ciúmes, por sua causa... ― respondeu colocando as mãos na cintura da jovem e suspendendo-a ― E por que você não cortou de uma vez as investidas do Kyle? ― indagou sentindo as pernas da garota se entrelaçarem ao seu redor.
― Porque você sabe que eu gosto de joguinhos desse tipo... ― respondeu mordendo o lóbulo da orelha do rapaz.

― Hum... Prefiro ser seu único oponente nesses jogos... – disse por fim deitando a garota no sofá.
Categories:

2 comentários:

  1. Adam só sabendo de todos os paranauês, isso não presta nem um pouco.
    E Oliver meu filho, que auto controle admirável e cara lavada mais ainda.

    ResponderExcluir
  2. Adam doido para ver o circo pegar fogo... E inspirado logo em quem, só podia não prestar. ;)
    O Oliver confia no próprio taco... Senão, era capaz de ter feito uma cena ali mesmo...

    ResponderExcluir